Pesquisa de Logradouros


Avenida Angélica
Distrito: Santa Cecília

Dona Maria Angélica Souza Queiroz nasceu em Rio Claro (SP) no dia 04/03/1842, no seio de uma abastada família paulista. Seu pai, por exemplo, Francisco Antonio de Souza Queiroz, o barão de Souza Queirós, era filho do Brigadeiro Luis Antonio de Souza Queiroz (veja Av. Brigadeiro Luis Antonio). Nesse sentido, Angélica era filha de barões e neta do Brigadeiro Luís Antonio, um rico empresário que possuía uma das maiores fortunas da época. A mãe de Angélica, d. Antonia Eufrosina de Campos Vergueiro, também pertencia à elite paulista, uma vez que era filha do Senador Nicolau Pereira de Campos Vergueiro (veja Rua Vergueiro). No batismo, ela recebeu o nome de sua avó materna, d. Maria Angélica de Vasconcelos, esposa do senador Vergueiro. Maria Angélica teve uma educação esmerada e viveu parte de sua infância e juventude na Fazenda São Jerônimo, em Limeira, propriedade de seu pai, e em São Paulo onde passava temporadas na ampla chácara da família localizada na atual Av. São Luís. Justamente por isso, Angélica apreciava a vida no campo, ambiente este que mais tarde tentou reproduzir na capital. Em 1862, aos 20 anos de idade, contraiu matrimônio com seu primo, também membro da elite paulistana, o Dr. Francisco de Aguiar Barros (veja Alameda Barros), ele filho de Bento Paes de Barros, o Barão de Itu, e de d. Leonarda de Aguiar. Logo após o casamento, o casal manteve residência na chácara de seu marido, então localizada na Rua Alegre, hoje Brigadeiro Tobias, em Santa Ifigênia. Mas, as viagens ao interior continuaram, tanto que seu primeiro filho, Francisco, nasceu em Itu no dia 27/11/1863, sendo batizado em São Paulo aos 29/02/1864. Além de Francisco, Angélica teve mais nove filhos: Bento, Maria Angélica, Leonarda, Alfredo, Antonia, Guiomar, Paula, Raul e Beatriz. Constituída a numerosa família, o casal decidiu fixar residência em São Paulo e, para isso, seu marido adquire a conhecida Chácara das Palmeiras, onde todos foram residir. Em decorrência da importância dessa chácara na vida de Maria Angélica e na configuração da Avenida que hoje leva seu nome, a propriedade merece alguns destaques:

Chácara das Palmeiras: formada nas primeiras décadas do século XIX por Antonio Leite Pereira da Gama, em 1849 ela já aparece citada com este nome nos documentos municipais (Atas da Câmara 20/09/1849). Por volta de 1860 ela é vendida ao médico Germano Frederico Borghoff, de nacionalidade dinamarquesa, que ali mantinha uma plantação de chá com 5 mil pés, um pomar com pêssegos, uvas e aproveitava para vender o capim que crescia naturalmente. Como experiência, cuidava também de algumas vacas leiteiras. Em 1872 Borghoff mudou-se definitivamente para a chácara, mas ao que parece sua situação financeira não era das melhores. Desde 1865 ele tentava arrendar a propriedade, ocasião em que publicou nos jornais um anúncio com esse propósito. Naquela época, a chácara possuía “uma casa reedificada com cômodos para numerosa família, senzalas para muitos escravos, estrebarias, cocheiras, pasto de aluguel, capinzais, quintal grande e bem plantado.” Mais tarde tentou vender a chácara para a Câmara Municipal, mas não obteve sucesso. Outras tentativas foram feitas, mas o insucesso da empreitada o obrigou, em 1873, a colocar a chácara em leilão através do leiloeiro Hilário L. da Silva Breves. O certame ocorreu no dia 29 de janeiro de 1874, ocasião em que a propriedade foi arrematada por Domingos Marques da Silva Ayrosa, grande amigo do dr. Borghoff e proprietário da famosa “Padaria das Famílias”, então localizada na Rua do Comércio nº 15. Mas eis que em 1876, Ayrosa coloca a Chácara das Palmeiras novamente à venda, mas sem sucesso. Em 1877 ele permanecia na chácara, ocasião em que contratou alguns empregados: um cocheiro julho, um caixeiro em dezembro, sendo que nessa mesma ocasião publicou um anúncio dizendo que pretendia alugar para si uma escrava para “engomar e demais serviços de casa de família”. Uma tragédia, entretanto, ocorreria no dia 16 de outubro de 1878, ocasião em que uma filha de Ayrosa, com pouco mais de um ano de idade, pereceu afogada num tanque existente na chácara. Certamente por conta desse fato, a família de Ayrosa decidiu colocar a propriedade à venda. E foi justamente nesse período, entre 1878 e 1879, que a Chácara das Palmeiras foi adquirida pelo marido de d. Maria Angélica. Para consolidar esta informação, cabe observar que nos registros eleitorais da cidade datados de 1879, o Dr. Francisco de Aguiar Barros ainda mantinha como endereço a sua propriedade na “Rua Alegre”. Ao que tudo indica, a mudança da família para a Chácara das Palmeiras ocorreu em 1880, ocasião em que os jornais anunciaram a venda de algumas carrocinhas e animais que estavam na propriedade e, entre eles, constava uma criação composta por 18 cabeças de vacas leiteiras. É certo de d. Maria Angélica manteve ainda um pequeno rebanho leiteiro na sua propriedade, pois em 1886 o “leite da Chácara das Palmeiras” era bastante procurado pela população conforme anúncio publicado no jornal O Estado de São Paulo no dia 28/07/1886. Inicialmente, a família ocupou a antiga sede da chácara, um amplo casarão cujos remanescentes podem hoje serem vistos na Alameda Barros lado impar, esquina com a Rua Albuquerque Lins, onde se acha a capela de São Vicente de Paulo. Naquela oportunidade, a chácara possuía um perímetro delimitado pelas atuais ruas das Palmeiras, Conselheiro Brotero, avenidas Higienópolis e Angélica. Em agosto de 1890, d. Maria Angélica sofreria um grande golpe com a doença e posterior falecimento de seu marido, ocorrido no dia 19/08/1890 em sua casa na Chácara das Palmeiras. Conforme os registros, o dr. Francisco de Aguiar de Barros sofreu uma lesão no coração posteriormente diagnosticado como insuficiência mitral. Seu corpo foi sepultado no dia seguinte no cemitério da Consolação. Talvez em decorrência dessa fatalidade, mas também inspirada na atitude de d. Veridiana da Silva Prado que construíra seu palacete entre 1883 e 1884 na mesma região, d. Maria Angélica decide deixar o casarão em que vivia e providencia a construção de um verdadeiro palacete na Av. Angélica atual nº 430 esquina com a Alameda Barros atual nº 376. O projeto da casa foi idealizado pelo arquiteto alemão Matheus Häussler, ele autor também dos projetos da Hospedaria dos Imigrantes e do Palácio Campos Elíseos. Iniciada a construção em 1891, o palacete estava pronto em 1893, ocasião em que ela se muda para a nova residência. Deixando a antiga sede da chácara, Angélica faz a doação de toda a propriedade para a Associação das Damas da Caridade de São Vicente de Paulo, que ali instalou um orfanato para meninas e, em 1899, um externato para ambos os sexos. A exemplo da residência de d. Veridiana, o palacete de d. Maria Angélica também marcou uma época na cidade. Com nítida influência prussiana, já que inspirado no Palácio de Charlottenburg, a construção, em posição elevada, era cercada de jardins, criando uma ambiência de verdadeiro conto de fadas. Estava, pois, configurada neste exemplo a nova maneira do saber morar da elite paulistana. Data desse mesmo período a decisão de d. Maria Angélica, agora como herdeira da propriedade, em abrir as primeiras ruas que formaram, de início o bairro de Santa Cecília, e que depois se articularam com aquelas abertas mais acima, em Higienópolis. Interessante notar que a atual Av. Angélica, a primeira a ser aberta, ficou conhecida, em 1895, como “Avenida Viúva Barros” conforme se apresenta no mapa da cidade daquele ano. Paralela a esta avenida, o mesmo mapa mostra o primeiro treco da Rua Barão de Tatuí e uma transversal que recebeu o nome de Alameda Barros. Por essa época, a Av. Angélica estava aberta apenas no trecho entre a Rua das Palmeiras, onde tinha início, e a esquina da Rua Jaguaribe, ou seja, nos limites da Chácara das Palmeiras de D. Maria Angélica. Em 1898 a Câmara Municipal já pensava em estendê-la até os Campos Elíseos, interligando-a com a Alameda Eduardo Prado, num projeto que ficou conhecido como “Avenida Circular”. No seu lado oposto, subindo para Higienópolis, também se desejava sua interligação com a avenida Itatiaia, aberta na mesma época por Martinho Burchard entre as avenidas Higienópolis e Paulista. Em maio de 1898 a municipalidade havia entrado em acordo com os dois loteadores: Burchard de um lado e D. Maria Angelica de outro, para que os mesmos dividissem as despesas das obras orçadas em 3:300$000 réis (três contos e trezentos mil réis). Em 1899 as duas avenidas estavam ligadas, mas mantendo, cada uma delas, as suas denominações. Em 1901, e devido à não concretização do projeto apresentado em 1898 e que previa a sua ligação com a Alameda Eduardo Prado, o vereador Serafim Leite ponderou: “Sendo a Avenida Angélica uma das mais formosas desta cidade, e convindo liga-la com a Alameda Prado, tornando-a assim muito mais longa, de modo a proporcionar belos passeios às famílias desta Capital, indico que (...) se proceda aos necessários estudos.” E ninguém negava o sucesso desse empreendimento levado a efeito por d. Maria Angélica, tanto que também em 1901 ela solicitou e obteve da Câmara isenção total de impostos pelo prazo de cinco anos para todos os terrenos situados na Alameda Barros, Rua São Vicente de Paulo, na Avenida Angélica e nas demais “ruas que abrir desta Avenida em direção à cidade” (Atas 01/10/1901). Por conta desse estímulo, d. Angélica promoveu a abertura de novas na sua chácara e na medida isso ocorria, ela teve o cuidado de homenagear membros de sua família. Uma delas já fazia referência ao seu marido (Alameda Barros) e depois seria o caso de sua tia-avó (Rua Baronesa de Itu) e amigos da família como o Conselheiro Brotero, o Dr. Gabriel dos Santos, e Brasilio Machado, dentre outros. Em 1907 a Av. Angélica já chamava a atenção pelas belas construções e foi justamente nesse momento que foi aprovada uma legislação especial para ela. A proposta original foi do vereador Francisco Alves da Cunha Horta Júnior que sugeriu: “Nenhuma casa poderá ser edificada na avenida Angélica, sem que fique entre o alinhamento e a frente da casa um espaço de seis metros, pelos menos, para jardins ou arvoredos, e bem assim um espaço não menor de dois metros de cada lado.” Apesar de ser uma regra já utilizada na Av. Paulista, por exemplo, a legislação por parte da Prefeitura era uma grande novidade. Analisando essa questão, a então Comissão de Justiça não apenas aprovou como também apresentou outra novidade que foi incorporada: “A Comissão de Justiça, estudando o projeto do sr. vereador Horta Júnior, e considerando que a avenida Angélica, pela sua disposição poderá ser, no futuro, uma das melhores ruas desta cidade, si se tornar obrigatório o plano de construção indicado neste projeto, plano aliás já adotado nas várias construções ali iniciadas; considerando que este sistema de construção se deve estender à av. Itatiaia que é o prolongamento da avenida Angélica e que forma com esta uma avenida quase reta, resolve apresentar à consideração da Câmara o seguinte substitutivo: Art. 1º - Fica denominada avenida Angélica a avenida que, partindo da rua das Palmeiras, vai até a avenida Municipal (...) Art. 2º - Nenhuma casa poderá ser ali edificada, sem que fique entre o alinhamento e a frente da casa um espaço de seis metros, pelo menos, para jardim ou plantação de arvoredos (...).” Após deliberações, este projeto deu origem à Lei nº 1001 de 31/05/1907. Em 1912, finalmente, através da Lei 1537 de 11 de maio, foi autorizado o prolongamento da Avenida Angélica até a Alameda Eduardo Prado.  Dona Maria Angélica pode assistir o sucesso de seu empreendimento, já que faleceu em São Paulo no dia 10/10/1929, aos 87 anos de idade. Seu féretro saiu da Rua São Vicente de Paulo nº 38 e seguiu até o cemitério da Consolação onde foi sepultada.

Fontes: HOMEM, Maria Cecília Naclério; “Higienópolis – grandeza e decadência de um bairro paulistano”, Prefeitura de São Paulo, 1980. JORGE, Clovis de Athayde; “Santa Cecília”, Prefeitura de São Paulo, 2006. Diário Nacional de 11/10/1929, Correio Paulistano 11/10/1929, 03/07/1877, 06/09/1879, 06/09/1879 (lista de eleitores),  Diário de São Paulo 02/12/1865, O Estado de São Paulo 13/12/1877, 18/10/1878, 23/06/1880 (anúncio) e 28/07/1886 (venda de leite), Atas da Câmara 26/01/1907, 25/05/1907.

Mais Informações

Nomes Anteriores:
Avenida Itatiaia e Alameda Barros
Prefeitura Regional:
Sé (SPSE)
Descrição Técnica:
Começa na Rua Barra Funda e Termina na Avenida Dr. Arnaldo. Bairro Santa Cecília.
CADLOG:
01.356-0
Oficialização:

LEI nº: 1.001 de 31/05/1907

Lei nº 1.537, de 11 de maio de 1912, trata do prolongamento da via.

Mapa de localização

A exibição da localização através do GoogleMaps é feita pela consulta do endereço e eventualmente pode não corresponder ao endereço oficial do logradouro. Para visualizar a localização precisa do logradouro, você pode consultar o Mapa Digital da Cidade de São Paulo (GeoSampa), que é o mapa oficial da Cidade.

Comentários

Envie seu comentário ou outras observações sobre a história deste logradouro através do formulário abaixo. Suas informações serão analisadas e se forem relevantes serão compartilhadas aqui, para complementar a história deste logradouro.

Nenhum comentário ainda para este Logradouro. Comente.

Contato


Envie seu comentário sobre um Logradouro, dúvidas, sugestões ou outras informações que considerar necessárias, através dos canais abaixo.

(11) 3396-6066 / 3396-6072

Praça Coronel Fernando Prestes, 152, Luz, São Paulo, SP